ROSILENE  FONTES

Exposição Aluga-se Triplex -  Instalação: "Flyway"  - 2018

Flyway

 

“Quando eu era criança passava as férias de verão com a família no litoral do Espirito Santo. Morava na Zona da Mata mineira e o nosso mar era lá “

 

Flyway nasceu desta memória, o que interessa neste relato é o deslocamento, a ocupação e o pertencimento do lugar, mesmo que temporário. A artista faz um paralelo com as migrações de pássaros que também são voluntárias, intencionais e de caráter periódico.

 

O trabalho é uma instalação com mapas de revistas de bordo de várias companhias aéreas e anilhas de pássaros.

Os mapas foram perfurados linearmente com o desenho das rotas dos pássaros que interfere nas linhas das rotas dos aviões.

 

As anilhas conhecidas como passaporte internacional dos pássaros, quando usadas para fins científicos, tem como objetivo obter as informações das rotas migratórias dos pássaros, seu paradeiro e até mesmo a longevidade. As aves são anilhadas e depois libertadas.

 

Para concepção do trabalho a artista pediu a diversas pessoas que quando viajassem de avião lhes trouxessem na volta as revistas de bordo. Nas Anilhas pratas foram gravados o nome de alguns pássaros migratórios e sua origem.

 

 

Rosilene Fontes, 2018 - Flyway - instalação com mapas de revistas de bordo de varias cias aéreas, anilhas de pássaros, caixa madeira azul com galho de árvore, ninho de pássaro, caixa backlight com fotografia - objetos tamanhos variáveis em um espaço de 3m x 6m.

 

 

Exposição Familia Vende Tudo - Grupo Aluga-se no SAO Atelie - artistas: Yara Dwachter, Rosilene Fontes, Giba Gomes, Marlene Stamm, Evandro Prado, Duda Oliveira, Bruno Novaes, Deolinda Aguiar e Mano Penalva. Meu trabalho Ocupação "A Vida em Rosa" , 2017 , mobiliário antigo infantil, desenhos, fotografias acervo pessoal, linhas, partes de bonecos, caixinha de música la vie en rose - tamanhos variáveis

Exposição no  SAO_espaço de arte - Rosilene Fontes, sem título - 2017 

Programa de Exposições  MARP - Museu de Arte Contemporânea de Ribeirão Preto - 2017 - selecionados dois trabalhos: Dama com Galo e Milhafre

Museu do Catete - Rio de Janeiro - exposição "Somos todos Clarice". No coreto do Jardim do Museu uma instalação com o grupo aluga-se "Familia vende tudo Clarice"- Cada artista ocupou um móvel da instalação. Rosilene Fontes ocupou uma gaveta com a obra "O que é eterno para você? Troco uma palavra por um chiclete".

 

 

A obra é composta de  uma gaveta antiga de madeira, sem restauro, de 40cm x 34cm e 15cm de altura. No interior da gaveta foi feita uma pintura de laca cor de rosa.

 

No centro da gaveta, sobre a laca rosa há uma caixa de acrilico transparente vazia, de 17 cm x 10 cm e 6 cm de altura e 2000 chicletes de tutti frutti embalados originalmente em papel manteiga, empilhados até a borda da gaveta.

 

A idéia é interagir com o publico, onde a artista sugere: Troca-se um chiclete por uma palavra - “o que é eterno para você?” - a pessoa que pegar o chiclete devolve a embalagem com uma palavra escrita, que para ela representa o que é eterno, colocando-a dentro da caixa de acrílico.

 

O trabalho foi inspirado na crônica “Medo da eternidade” de Clarice Lispector: é o primeiro contato de Clarice na infância com a eternidade, na qual ela faz uma analogia com o chiclete.

 

Exposição "uma história da infância" - galeria Dconcept - São Paulo - Brasil

 

Era uma vez, uma artista que há tempos desejava desenhar pássaros. Num dia de outono, observando as histórias de Leonardo da Vinci, descobriu que ele escreveu um livro intitulado Fábulas e lendas e que sua única lembrança da infância era um sonho com pássaros. Foi nessa época que Rosilene Fontes começou a contar Uma história da infância, narrativas em que a ficção mescla-se à suas memórias pessoais. ( Ananda Carvalho)

Exposição "uma história da infância" - galeria Dconcept - São Paulo - Brasil

 

A série que empresta o nome à exposição engloba caixas-objetos construídas a partir do livro Fábulas e Lendas de Leonardo da Vinci. Rosilene seleciona histórias que mais se relacionam com a sua memória: da Cotovia, do Pavão, do Cisne, do Pelicano, da Águia, por exemplo. A artista reinventa seus títulos e conteúdos, utilizando-os como suportes para materializar outras narrativas, alinhavadas em outros tipos de páginas. (Ananda Carvalho)

 

"A porta estreita" - 2014 - objetos, colagens, fotografias, desenhos - tamanhos variáveis

MARP - Programa de Exposições Museu de Arte Contemporânea de Ribeirão preto -

As ultimas nuvens azuis no céu da alameda principal, 2012 - lapis aquarelado sobre impressão fotografica minúsculas de fotografias de casas  tiradas em viagens  - 30 imagens de 20x20 

MARP - Programa de Exposições Museu de Arte Contemporânea de Ribeirão preto 

Exposição The dirty and the bad from São Paulo to Svendborg,  2011 - Museu Sak - Svendborg - Dinamarca

Mapa afetivo e Possíveis Narrativas,  2010-2011 - MARCO (Museu de Arte Contemporanea de campo Grande ) e MARP (Museu de arte Contemporanea de Ribeirão preto)